5 de setembro: dia mundial da caridade

O dia mundial da caridade foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas – ONU, como dia 5 de setembro em homenagem à ganhadora do Nobel da Paz, Madre Teresa de Calcutá, que faleceu neste mesmo dia em 1997. Para a organização, a caridade é o principal motor para o funcionamento de uma sociedade mais inclusiva resiliente e, também, para aliviar os piores efeitos de crises humanitárias, afinal, a pobreza é a maior ameaça à paz.

No que diz respeito à pobreza, não se fala apenas da falta de recursos financeiros. A pobreza também é sobre a falta de solidariedade, falta de amor, empatia e oportunidades, tudo isso, ou melhor, a falta disso também se caracteriza como pobreza. Atualmente o Brasil ocupa o 54º lugar entre os países mais generosos do mundo, de acordo com o Ranking Global de Solidariedade.  

Embora o país ainda esteja longe do ranking, o lugar atual é 14 posições mais altas que em 2018. Logo, tem se percebido o crescimento da cultura da doação, que vem se tornando cada vez mais relevante socialmente, tendo em vista que se trata de um movimento capaz de inserir as pessoas como parte do processo construtivo de um país melhor para todos.

É o que explica a coordenadora geral do Grupo Luta Pela Vida, Ana Cláudia Pavarine sobre a vontade de ajudar as pessoas. “Pra mim não é sobre participar de um evento levando apenas o nome do Grupo. Precisamos estar presente de fato, precisa ajudar, ser solidário com aqueles que estão ali trabalhando em prol da nossa causa. Não dá para ver as pessoas ali trabalhando e não fazer nada”, conta a coordenadora.

Sobre sua motivação, Ana Cláudia conta ainda, que a vontade de ajudar vem do exercício de se colocar no lugar do outro. “Nessas situações, nos eventos por exemplo, eu quero ver como eu posso ser útil e me equiparar a essas pessoas. Eu me coloco no lugar deles, penso que em pleno domingo, por exemplo, os voluntários poderiam estar nas suas casas, mas não, estão aqui, fazendo esse esforço, então a gente precisa fazer acontecer também, em prol do paciente”.

Por fim, Paravine lembra que, tão importante quanto fazer sua parte, e deixar o ensinamento. “Para mim, o melhor ensinamento é que as pessoas possam olhar nosso trabalho, ver o que estamos fazendo e, de alguma forma, se inspirarem. É como um efeito dominó, onde eu fui motivada pelo trabalho de alguém e quero motivar outras pessoas com meu trabalho, demonstrando sempre, amor e empatia”, finaliza Ana Cláudia.

No Grupo Luta Pela Vida você pode exercer esse exercício de dominó de diversas maneiras. Nosso trabalho só é possível graças a doações da sociedade. É possível ser parte dessa rede em prol dos pacientes oncológicos por meio do trabalho voluntário. Atualmente contamos com diversos voluntários que trabalham em vários setores do Hospital, buscando sempre levar mais conforto, assistência e alegria durante o tratamento contra o câncer.

Além disso e para manter toda essa estrutura funcionando, temos os canais de doação, são eles:

O Grupo Luta Pela Vida parabeniza e agradece imensuravelmente às pessoas que fazem da caridade um dever buscando sempre uma sociedade mais justa e, consequentemente, livre de pobrezas. Vamos sempre Juntos Pela Vida!

Rolar para cima