De paciente á voluntária – A história de Ana Solange

A doçura e leveza de Ana Solange são características admiráveis. A voz calma ecoa pelo ambiente transmitindo tranquilidade e paz. Natural de Monte Carmelo, Ana se mudou para Uberlândia há 38 anos, após o marido conseguir um emprego na cidade. Em busca de mudanças e uma melhor qualidade de vida, no dia 03 de janeiro de 1984 a família Oliveira começou a escrever sua história na região do Triângulo Mineiro.

A ligação forte com a família é notável no olhar quando fala dos filhos, marido, netos e do pai, à quem Ana Solange relembra com muita emoção e amor. Em 2007, o pai de Ana foi diagnosticado com câncer no esôfago e veio de Monte Carmelo para Uberlândia realizar o tratamento no Hospital do Câncer. “Ele ia super feliz para o Hospital, ele falava que aquilo era coisa de primeiro mundo, não aceitava ir de qualquer jeito para o Hospital, só servia ir de terno”, afirma.

Após muito lutar, infelizmente seu pai veio a falecer, um momento muito difícil para Ana e toda sua família. No ano seguinte, 2008, realizando seus exames de rotina como era de costume, Ana Solange descobriu que estava com câncer de mama. O susto e o medo logo deram as caras, pois Ana havia acabado de perder seu pai para a doença.“Meu médico me acalmou muito, ele falava que cada caso é um caso, então, vamos ver o seu. Ele me falou das minhas possibilidades de cura, o que me deixou mais esperançosa”.

Maio que já estava marcado na agenda para ser o mês do casamento de sua filha, deu lugar a algo mais importante e urgente, o início do tratamento de Ana. O apoio e amor da família foram cruciais para que Ana Solange conseguisse passar pela cirurgia e sessões de quimioterapia. Com a voz emocionada, Ana conta que na época seu netinho de apenas 1 ano se transformou em sua fortaleza. Sempre atencioso e amoroso, se preocupava com o dodói da vovó e mesmo sem ter noção do que estava acontecendo, dava forças para Ana Solange continuar sua caminhada.

Após 2 anos de tratamento, Ana Solange foi para a manutenção anual, uma vitória para ela e toda a família. O Hospital do Câncer em Uberlândia atualmente ocupa um outro lugar na rotina da professora aposentada. Ana Solange se tornou voluntária do Grupo Luta Pela Vida, atuando na lojinha da Instituição. Agora segunda a quarta são os dias de ajudar a cuidar dos netinhos. Terça e quinta o voluntariado no Hospital. Sexta é dia de dar aquela geral na casa. E os finais de semana são reservados para passar com a família. Mas todos os dias, são dias de agradecer. Agradecer pela vida e pela saúde.

Aliás, agradecer foi algo que nunca foi tirado da rotina de Ana Solange. E não poderia ser diferente. A gratidão é uma virtude das almas nobres. A gratidão é uma virtude de Ana Solange.

Rolar para cima