Grupo Luta Pela Vida e Hospital do Câncer em Uberlândia lançam Projeto Lúdico da Radioterapia com foco no tratamento humanizado

Nesta terça-feira (23), Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Grupo Luta Pela Vida e o Hospital do Câncer em Uberlândia iniciam o Projeto Lúdico da Radioterapia, em que os pacientes infantis passam a contar com decoração personalizada nas salas, durante as sessões, com a utilização de imagens dos personagens favoritos de cada criança. Além disso, acompanhados da equipe de radioterapia e psicólogos, os pequenos poderão se distrair com um jogo de tabuleiro relacionado ao tratamento, sendo que a cada sessão realizada, o paciente “avança” uma casa no jogo, representando mais uma etapa vencida.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), assim como nos países desenvolvidos, no Brasil, o câncer já representa a primeira causa de morte (8% do total) por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos. Nas últimas quatro décadas, o progresso no tratamento do câncer na infância e na adolescência foi extremamente significativo. Atualmente, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos com a doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. A maioria deles terá boa qualidade de vida após o tratamento adequado.

Com o Projeto Lúdico da Radioterapia, os pacientes infantojuvenis que fazem tratamentos oncológicos radioterápicos poderão passar pelos procedimentos de forma mais leve, como explica a Chefe do Setor de Cuidados Especializados e rádio-oncologista em oncopediatria do Hospital do Câncer, Dra. Claudia Helena Tavares. “A radioterapia é um tratamento feito de forma diária, podendo variar de 20 a 40 aplicações, em um processo que para as crianças pode ser difícil e cansativo. De segunda a sexta elas precisam acordar cedo, ficar em jejum quando necessitam de sedação, realizar o tratamento e ir pra casa. Este projeto é uma forma de tornar essa rotina um pouco mais fácil, leve e lúdica”, explica a rádio-oncologista.

A psicóloga Jodi Hunt, que também participou da idealização do projeto, destaca que este passo representa o avanço nos trabalhos de humanização que são realizados de forma contínua no Hospital do Câncer e que são essenciais para garantir uma melhor aceitação do tratamento, especialmente em relação às crianças. “Por ser lúdico, o projeto pode contribuir para o melhor enfrentamento do procedimento radioterápico, influenciando na motivação do paciente e consequentemente na adesão ao tratamento. Além disso, a iniciativa também tem o objetivo de promover a interação entre equipe, paciente e família, aproximando o paciente mirim dos profissionais que realizarão os procedimentos”, destaca a psicóloga.

Além dos games que foram desenvolvidos e da decoração personalizada, ao concluir o tratamento, os pacientes infantis poderão registrar o momento em uma placa para fotos e também no painel ilustrado que fica localizado na brinquedoteca do Hospital, outro espaço pensado para atender os pacientes infantis. 

A escolha do dia 23 de novembro para o início deste projeto foi por conta de ser o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, criado em 2008 pela Lei nº 11.650. O objetivo da data é divulgar e estimular iniciativas educativas e preventivas associadas à doença, além da promoção do apoio para as crianças e seus familiares. 

Rolar para cima