Valdir e os vários significados de quem luta pela vida

Outubro de 2019. Valdir de Souza é o mais novo mensageiro do Grupo Luta Pela Vida. Agora ele trabalha nas ruas, incessantemente, em prol de um melhor tratamento para os pacientes com câncer de Uberlândia e região. Mas o que aquele novo colaborador não imaginava era que, em pouco tempo, tudo mudaria e todo o esforço em seus dias de trabalho, se tornariam ainda mais importantes para enfrentar um problema pessoal.

Em novembro de 2020, Valdir foi diagnosticado com câncer colorretal, um dos tipos de tumor mais frequentes na população brasileira. “Passa um filme na cabeça da gente. Como assim eu? Sempre tive uma saúde muito boa”. As dores no abdômen foram os primeiros sintomas de que algo não estaria certo, mas o primeiro diagnóstico foi que se tratava apenas de uma sinusite muito forte. Com as dores ficando mais intensas, trabalhar já estava difícil. Valdir comenta que falou com Charles, seu coordenador, que o aconselhou a ir atrás de um especialista. 

“Fui ao médico que me deu alguns remédios para amenizar as dores e marcou uma colonoscopia. Depois do exame, o médico chamou minha esposa e contou que eu estava com um tumor que, pela experiência dele, tinha 90% de chances de ser maligno”, relembra o paciente. Fazer a cirurgia o mais breve possível se tornou o primeiro passo para o tratamento. Naquele momento, Valdir entendeu o que teria que enfrentar. “Parei, respirei e pensei que era coisa simples, que eu tenho a minha família que precisa de mim”.

11 de janeiro de 2021. Pouco mais de um mês do diagnóstico, foi realizada a cirurgia para a retirada do tumor. Após o procedimento, Valdir iniciou o primeiro ciclo de quimioterapia, ainda em uma instituição de saúde privada de Uberlândia, mas sabia que a sua casa era mesmo o Hospital do Câncer. O segundo ciclo do tratamento já foi feito no Hospital do Câncer, onde continua sendo atendido atualmente.

Para Valdir, ter um pouco de otimismo e apoio das pessoas próximas estão sendo pontos essenciais para passar por essa situação. “Não tenho que reclamar de nada, eu sempre fui uma pessoa que tive muita fé, então não me abalei muito. Coloquei na mão de Deus e fui. Tive muito apoio, tanto daqui do Grupo, dos meus amigos que trabalham comigo, e da minha família nem se fala”, comenta. 

A fé de Valdir fez com que ele nunca se sentisse só e deu forças para entender que ainda tinha muita coisa para viver. “A gente não tem só alegrias na vida, temos os momentos tristes também, os de fraqueza. Eu creio que a vida da gente é um turbilhão, então se você não se agarrar em uma força, a gente não consegue superar os obstáculos”.

Valdir, que acabou de completar 50 anos, diz se sentir como um menino de 20 anos. Para ele, esse momento se tornou um aprendizado e serve para que sempre se lembre que a vida é uma passagem e que o importante é passar da melhor maneira possível. “Eu ainda tenho muita coisa pra viver, ajudar os meus filhos o máximo que puder ajudar. Acho que isso foi um empurrão pra mim, pra eu seguir em frente e não parar”.

Com certeza, a vida de Valdir está cheia de mudanças e, em meio ao turbilhão, aprendizados, tristezas e sorrisos não faltam para ele, que se propõe a viver intensamente e ser feliz.

Rolar para cima